sexta-feira, 17 de julho de 2009

Síndrome de Burnout: a nova face do esgotamento

Você é uma pessoa empreendedora, dinâmica, cheia de iniciativa e gosta do que faz. Seu empenho se reflete em reconhecimento dos colegas de trabalho que sempre confiam em você para resolver os mais diversos problemas. Sua dedicação é utilizada como modelo exemplar pelo chefe que lhe garante, reiteradamente, que seu futuro será brilhante. Tudo vai bem, até que algo desanda e parece lhe tirar da rota. Atrasos, esquecimento de compromissos, perda do vigor mental e físico, cansaço contínuo, dificuldade em atingir as metas, sensação de uma barreira intransponível sobre si, problemas de relacionamento, gastrite, insônia e um azar generalizado. Você pensa: "Será macumba?!" Pode ser, mas o mais provável é que você tenha passado dos seus próprios limites e se encontra em estado de esgotamento, atualmente conhecido como "síndrome de burnout".

A vida profissional exige muito mais do que o cumprimento de prazos e execução impecável de tarefas. Na realidade, para atingir um desempenho alto lançamos mãos de habilidades que se desenvolvem em um plano mais sutil, talvez energético, se quisermos usar esse nome. Além do conhecimento técnico de que dispomos e do tempo utilizado de fato para a realização de uma atividade, movimentamos nossa energia de várias maneiras. Gastamos energia para criar e manter laços de trabalho e convivência, controlar os horários de sono e vigília, para equacionar as demandas da vida social/familiar e profissional.


Enquanto conseguimos dar conta de tudo isso, o resultado é de sucesso nos empreendimentos. Mas não é infrequente que quanto maior o "sucesso" maior o número de atribuições que são incorporadas ao trabalho e maior a energia gasta para mantê-las. Chega um determinado momento em que nosso gasto energético é maior que nossa capacidade de reposição das nossas forças. Com um balanço negativo de vitalidade, a consequência é o estresse crônico e, eventualmente, o colapso.


Como as capacidades de renovação e recuperação de energia são variadas entre as pessoas, o mesmo acontecendo com a resiliência que é a capacidade de resistir às intempéries, cada um terá um ponto diferente de virada para uma situação de desequilíbrio.


É importante ficar atento aos sintomas que se instalam progressivamente. Sensação de cansaço extremo à noite, sensação de que o sono não foi suficientemente reparador quando acorda pela manhã são sintomas comuns. Diminuição do apetite sexual, ansiedade e tendência a buscar alimentos mais calóricos. Indisposição para se divertir, preferindo ficar em casa do que passear nos finais de semana já é sinal de anedonia e denota um estágio mais avançado. Queda do rendimento mental, com perda de concentração e dificuldade de atenção e memória são sintomas de esgotamento, mas a falta de criatividade aparece ainda antes disso. As habilidades sociais são comprometidas, resultando em dificuldade de trabalhar em grupo ou cooperar em tarefas, indisposição geral associada a irritabilidade e impaciência com os colegas. O indivíduo se torna mais chato, introvertido, mal-humorado, agressivo, intolerante, sarcástico, encontra defeito em tudo e não consegue se sentir feliz pelos outros.


Essa constelação de sintomas tende a se agravar à medida que a pessoa começa a se sentir frustrada e deixa de fazer outras atividades sociais. A rotina mental é uma das causas da síndrome de burnout, talvez mais importante do que as situações nas quais existem altas exigências. Tal fato se agrava quando a pessoa vai deixando de fazer outras coisas que são diferentes do trabalho, por falta de disposição. O azar generalizado é apenas a consequência da perda das habilidades não-verbais e por transmitir, o tempo todo, uma mensagem silenciosa negativa para quem está à sua volta. Os colegas, clientes, funcionários, familiares percebem inconscientemente e reagem.


Como evitar tudo isso? Evidentemente, nenhum suplemento vitamínico ou booster mental resolve a situação. Do mesmo modo, os anti-depressivos e ansiolíticos apenas amenizam alguns sintomas. Happy-hours, bebida e outros meios de desconectar não são suficientes e podem trazer mais problemas.


É preciso fazer um bom diagnóstico do quadro geral e identificar como está gastando sua energia, seja nas horas trabalhadas ou nas habilidades não-explícitas. É fundamental observar se destina tempo suficiente para recuperar sua vitalidade. Nesse ponto existem sutilezas importantes. Uma delas é que o simples repouso pode recuperar parcialmente o corpo, mas não a mente. Para descansar o cérebro o importante é desconectá-lo do estado de rotina em que se encontra.


Então, pode-se fazer um trabalho voluntário ou ingressar em atividades espirituais, ou ainda aprender a tocar um instrumento, fazer esportes radicais como trekking, 4x4, arborismo, começar uma nova faculdade. Fazer várias coisas diferentes tira a mente da posição de ficar ciclando sempre no mesmo lugar, amplia a criatividade e nos permite uma visão mais abrangente.


Do ponto de vista físico, uma dieta mais saudável, perda de peso, atividade física regular são necessários para dar resistência e aumentar a energia e vitalidade geral. Boas horas de sono são indispensáveis, e isso em termos de quantidade e qualidade de descanso.


Por fim, vale a pena fazer uma análise da própria vida e ver se não está focalizando demais suas energias no trabalho como modo de evitar lidar com as outras áreas que talvez não estejam tão boas. Procurar um equilíbrio entre os campos espiritual, intelectual, afetivo, físico, sexual e social é fundamental para ter felicidade e qualidade de vida.


Com tudo isso posto em perspectiva, somos capazes de recuperar a felicidade, a alegria de viver e recuperar a boa sorte. A síndrome de burnout é, enfim, uma decorrência da falta de atenção consigo mesmo que pode e deve ser tratada desde suas causas.

6 comentários:

Yan Kaô (Obashanan) disse...

Dr. Roger, e se, mesmo fazendo o recomendado, os sintomas continuarem? Existem tratamentos a base de remédios? Eles são necessários quando tratamentos espirituais e hobbys não funcionam?

Roger Taussig Soares disse...

Olá Yan,

O tratamento consiste em medidas medicamentosas e não-medicamentosas, sempre acompanhado por um profissional da saúde.
Por exemplo, o uso de um medicamento prescrito por médico pode melhorar a qualidade do sono do paciente e favorecer sua recuperação. Sintomas como ansiedade, angústia e depressão também podem receber tratamento farmacológico.
Tais estratégias ajudam a pessoa a "sair do buraco", mas é necessário que o modo de vida seja reestruturado para que não volte a manifestar os mesmos padrões.

um abraço,

Roger

Jociane - Obaositala disse...

10! mano.

Ygbere e Obaositala

Rita de Cássia Corroul disse...

Dr. Roger, não resisti!
Li este texto em nossa reunião semanal de estudos aqui na escola, numa das partes destinadas a assuntos de nosso interesse, que nos levem a refletir sobre qualidade de vida, encaminhamentos de questões de ordem pessoal entre outras tantas que refletem não só na atuação profissional mas fundamentalmente na vida como um todo.
Foi interessantíssimo.
Enquanto lia, as cabeças balançavam um "sim" a cada frase, e ao final os participantes motivados pelo texto e seu teor contagiante, faziam listas de providências que hoje (15 dias após a leitura) tornaram-se prática para todos nós do grupo.
Como já falei em outra oportunidade, a posse do esclarecimento nos torna responsáveis pela atitude.
Assim sendo, e a pedidos, receba o agradecimento de nossa equipe aqui de Jundiaí, em retribuição a sua atitude que tenho certeza, objetiva também este movimento.
Obrigada por dividir seus registros.
Um abraço!
Rita Corroul. rita.corroul@hotmail.com

Roger Taussig Soares disse...

Olá Rita!

Fico muito feliz de ter colaborado de alguma maneira com esse artigo.
Aproveito para dizer que atividades em grupo, como a que você mencionou, são muito enriquecedoras para a vida. Elas pode ser realizadas no ambiente de trabalho ou fora dele.
Cada vez mais é prática corrente nos EUA e Europa a formação de grupos de apoio entre amigos ou conhecidos(support groups), mesmo sem a participação de um profissional da saúde mental. Nos encontros, as pessoas discutem as situações da própria vida, riem de si mesmas e falam sobre assuntos e textos que tomaram conhecimento, ampliando o universo mental de todos.
Tais práticas são extremamente saudáveis e podem substituir, com vantagens, certos hábitos grupais como beber em excesso ou passar a tarde "tricotando" no cabelereiro.

Um abraço a todos!

Jorge Campos disse...

O primeito paragrafo é exatamento que eu estava pensando, até o será que é macumba se aplica...
mas estou extamente assim obrigado DR.